Oásis no Cerrado: Encontros e Encantamentos

Na tarde do último sábado, quando os termômetros marcavam mais de 30 graus em Brasília, saímos rumo à São Sebastião para fazer os primeiros contatos com duas comunidades indicadas pelos participantes da Oficina de Sensibilização de Leitores que aconteceu no IFB dessa cidade .

Esse primeiro reconhecimento sempre nos traz alguma ansiedade. Será que o Bibliorodas será bem recebido? Encontraremos as pessoas certas que poderão autorizar as expedições? Será que nossa agenda estará adequada à realidade de cada local?

Com essas perguntas na cabeça chegamos ao primeiro local mapeado: a Feira Permanente de São Sebastião. Feira organizada, com muitos expositores, diversos artigos e muitas pessoas trabalhando, jovens e adultos. Passeamos entre as bancas por alguns minutos e íamos cumprimentando as pessoas. Entre um “boa tarde” e outro, paramos e perguntamos a um dos feirantes: “Onde fica a Administração da feira?”. A resposta, rápida que veio, foi que a presidente da feira estava logo ali na banca atrás de nós.

Deu-se o encontro!

 

IMG_feira_sao_sebastiao

Fomos nós que nos apresentamos para Dona Ana Lúcia, presidente da Associação dos Feirantes. Logo se achegou também Ana Cláudia, membro da Diretoria da Associação. O bate-papo aconteceu ali mesmo no meio da feira, apresentamos nossa ação e explicamos a gratuidade do empréstimo dos livros, a periodicidade das circulações, mostramos fotos de outras expedições.

As duas feirantes ficaram animadas com a proposta. Ana Cláudia disse logo: “Precisamos muito disso!”.

Ouvimos as feirantes falarem sobre o funcionamento da feira, os dias de maiores fluxos, seus projetos e acordamos a Expedição Literária do Bibliorodas para novembro. Estamos muito felizes com essa nova parceria porque acreditamos que na rua, no meio do povo, os livros também têm o seu lugar!

A tarde já teria sido ótima até aí, mas como ficamos animados, decidimos seguir viagem. O próximo destino foi o Acampamento Tiradentes. Dessa vez as dúvidas eram maiores ainda porque em acampamentos nunca havíamos ido antes.

Fizemos uma ligação para Dona Josefa, líder do acampamento, e ela disse que estaria à nossa espera. Enviou-nos o localizador e fomos seguindo a rota. Estrada de chão a dentro, tudo era novidade. Muito sol, muita poeira e no meio do caminho tinha o Danilo. Esse menino apareceu no meio da poeira, com mochila e sacolas. Paramos o carro e oferecemos carona.

Danilo nos contou que estava vindo do Plano Piloto, falou com tanta alegria do projeto “Chica de Ouro”, mostra de curtas da Escola São Francisco. Na bagagem, carregava um tripé e uma máquina fotográfica que ele conseguira emprestados. Quanto brilho naquele menino! Foi ele que nos mostrou a entrada do Acampamento. Nós ficamos e ele seguiu caminhando, disse que chegaria em casa em 20 minutos.

Esse menino anjo no meio do caminho foi o prenúncio de mais um encontro muito especial.

Dona Josefa estava a postos com um sorriso largo no rosto. Pedimos que ela nos contasse a história do acampamento. Ela contou dos anos de luta, da resistência, de como as  mulheres se tornaram liderança. Falou com muita naturalidade e beleza do sentimento de família e pertencimento que existe hoje naquele lugar, das hortas comunitárias, das refeições partilhadas, do cantinho para as crianças. Um exemplo de convivência harmônica firmado na simplicidade e no respeito.

Deu-se o encantamento!

IMG_9382 (1)

Acampamento Tiradentes: Clara, Edna, Josefa e Enilde.

Falamos da nossa intenção: “Queremos trazer literatura para vocês, emprestar livros, partilhar leituras.”. Dona Josefa e Dona Enilde acolheram a ideia com muito entusiasmo. Organizamos as agendas e acertamos nossa ida com os livros também para novembro.

Tudo isso aconteceu em uma única tarde. Em um intervalo de três horas conhecemos duas novas realidades, nos aproximamos de novas pessoas, nos aventuramos a ir ao encontro do outro para ouvir e aprender. Por mais que saibamos da necessidade de lermos, estudarmos e refletirmos, essa tarde foi emblemática no sentido de nos mostrar que nada supera a experiência real.

Voltamos de São Sebastião naquela tarde quente como se tivéssemos encontrado um oásis no deserto! Na bagagem, mudas de alecrim e tomilho, além do buquê de flores de manjericão, presentes do Acampamento Tiradentes.

Expedicionários: Clara, Edna e Rafael.

 

Esse post foi publicado em Ceilândia. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s